“A tendência dele é renunciar”, diz Ciro sobre Bolsonaro - CONEXÃO NOTÍCIA - Wellington Marques

Últimas

Post Top Ad

Responsive Ads Here

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

“A tendência dele é renunciar”, diz Ciro sobre Bolsonaro

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) avalia que o presidente Jair Bolsonaro não irá concluir o mandato no comando do País. “Quando ele sentir o ‘fogão vindo no rabo’, a tendência dele é renunciar que nem o Jânio Quadros”, disparou o pedetista que, ficou em terceiro lugar na disputa presidencial de 2018.
Para Ciro, a escolha por Bolsonaro foi resultado de um sentimento anti-PT. “Com todo respeito ao eleitorado, foi uma histeria coletiva. O antipetismo foi tão violento que as pessoas fecharam os olhos. Tirando as caricaturas, como Cabo Daciolo, a maioria do povo brasileiro escolheu o pior candidato. É o menos preparado, menos treinado, mais analfabeto, reacionário, grosseiro”, ressaltou.
As declarações foram feitas, na segunda-feira (25), durante entrevista à rádio Tribuna BandNews FM.
Em novembro de 2014, em entrevista à jornalista Kézya Diniz, Ciro previu que o então “poderoso”deputado federal Eduardo Cunha (PMDB) seria preso e que a então presidente Dilma Rousseff (PT) não terminaria o mandato. A petista foi retirada do cargo, através de impeachment, em 31 de agosto de 2016. Já Cunha foi preso em outubro do mesmo ano.
Na segunda-feira (25), durante entrevista, Ciro voltou a atacar o vice-presidente Hamilton Mourão. “Ele é tão pouco respeitável que está flagrante e precocemente escalando o golpe contra o Bolsonaro”, afirmou. “Ele está vendo a deterioração acelerada do Governo Bolsonaro e está querendo se legitimar como alternativa. Há 50 dias, isso é falta de lealdade”, acrescentou.
Previdência
Ciro Gomes também falou sobre a proposta de Bolsonaro para a reforma da Previdência em tramitação na Câmara dos Deputados. O pedetista criticou a manutenção de “privilégios” e dos“grandes salários”; a falta de alteração na previdência de militares; e a não consideração das diferenças entre regiões e profissões.
Para Ciro, o Governo enviou uma “proposta selvagem” para ter margem para negociar. “Os militares, Exército, Marinha e Aeronáutica, são uma atividade peculiar, mas, ainda que seja diferente, a previdência social dos militares arrecada 3 bilhões de reais por ano e gasta 47 bilhões. Tem 44 bilhões de reais de buraco, esse é o maior buraco da previdência social”, criticou Ciro.
Sugestão
Ciro Gomes também ressaltou que o atual ministro da Fazenda, Paulo Guedes, chegou a chamar seu principal assessor econômico, o deputado federal e economista Mauro Filho, para conhecer detalhes da proposta traçada durante a campanha presidencial do ano passado. No entanto, segundo reclama Ciro, nenhuma medida foi absorvida. “Como eu vou pedir para cortar a pensão ou o benefício de prestação continuada de um pobre, idoso, doente, de um salário mínimo para 400 reais, deixando de mexer nesses privilégios? O povo não entende isso e tem razão de não entender”, ressaltou Ciro.
Informações
Ele ainda criticou o governo por divulgar informações “erradas” sobre o rombo na previdência. “(A dívida) agora está grande porque o Governo, que tem problemas em outras áreas, principalmente no excesso de dívida pública, inventou o DRU, uma lei que desvincula as receitas da união. Dessa montanha de dinheiro criada por lei para financiar a previdência, estão ‘capando’ 1/3 e jogando no buraco sem fundo da DRU para pagar a dívida pública”, acusa Ciro.
Polêmica
Ciro também disse que espera o governo completar 100 dias para entregar ao ministro da Justiça, Sérgio Moro, um pedido de providências para esclarecer o envolvimento do presidente Jair Bolsonaro(PSL) e da primeira-dama Michele Bolsonaro em operações financeiras suspeitas do ex-motorista do senador Flávio Bolsonaro (PSL), Fabrício Queiroz. O pedetista criticou o ministro por“estar calado” e cobrou uma outra postura de Moro, a quem se referiu como “chibata moral da nação”, sob pena de prevaricação.
Sobre o assunto, Ciro também fez críticas a Bolsonaro e ao vice, General Mourão. “Estão flagrantemente tentando abafar (o caso Queiroz), aproveitando um ciclo errado da grande mídia que não consegue sustentar criticamente um assunto relevante. Brumadinho aconteceu em um momento grave, em que você tinha o filho do presidente da República indiciado – ou pelo menos claramente envolvido – com milícias e com apropriação indébita de dinheiro e fortuna acima das suas posses”,disse Ciro.
Movimentação
O ex-assessor e ex-motorista do senador Flávio Bolsonaro (PSL), Fabrício Queiroz, movimentou R$ 1,2 milhão em sua conta de maneira considerada “atípica”, segundo relatório do Conselho de Atividades Financeiras (Coaf). O assunto chegou ao Ministério Público do Rio de Janeiro que abriu procedimento para apurar o caso. As investigações, no entanto, foram suspensas por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), a pedido do filho do presidente da República.
“Cadê a TED desse empréstimo? Cadê o contrato? Cadê o DOC da transferência? Cadê o cheque? Qual é a origem do dinheiro para emprestar 50 mil reais para um homem que ganha 20 mil por mês. É um assunto que envolve um presidente da República que estabeleceu a decência, o moralismo, o enfrentamento à ladroeira como sua razão de ser eleito”, ressaltou Ciro na entrevista.
E ainda
Durante a entrevista, Ciro elogiou o avanço do Governo do Ceará sobre as facções criminosas, falou sobre a divisão de presidiários por facção durante a gestão de seu irmão Cid Gomes (PDT), disse que vai recorrer da decisão judicial a favor do vereador paulista Fernando Holiday, a quem chamou “capitãozinho do mato”, e tratou sobre seu futuro político.
Com informações do OE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad

Responsive Ads Here

Páginas