Fragilizada, oposição se articula para conquistar comissões na Câmara - CONEXÃO NOTÍCIA - Wellington Marques

Últimas

Post Top Ad

Responsive Ads Here

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

Fragilizada, oposição se articula para conquistar comissões na Câmara



Apesar de o PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, ter conquistado a segunda bancada da Câmara dos Deputados, o Executivo vai precisar lidar com a oposição, ainda que fragilizada pela derrota nas urnas. Em um governo de extrema direita, o papel da esquerda vai além de obstruir pautas em votação no Plenário. O grupo se articula para conseguir presidir comissões, montar uma frente ampla e fazer alianças para derrubar matérias consideradas “inapropriadas”, que ferem os direitos civis dos cidadãos. Lideranças congressistas falam ao Correio sobre os principais desafios da esquerda em 2019 e avisam que vão aproveitar possíveis rachas entre legendas de centro e centro-direita para fazerem negociações e angariar aliados.  

Para conquistar espaço, a oposição deverá apoiar, sobretudo, um candidato à Presidência da Câmara que mantenha um canal aberto de diálogo. Os nomes mais fortes são Rodrigo Maia (DEM-RJ), que busca a reeleição, e Arthur Lira (PP-AL), opção do centrão, que se articula para conquistar os votos necessários para o pleito, marcado para o início de fevereiro. “A formação do bloco é importante para a oposição, porque vai ser decisiva para saber quais comissões serão presididas nos próximos quatro anos”, diz uma liderança da esquerda.

O apoio do PSL a Maia, segundo caciques, foi uma jogada que desagregou a articulação que ele tentava entre os partidos em busca da reeleição. Acreditam que, com o apoio declarado do PSL, lideranças podem se esquivar da aliança com integrantes do partido de Bolsonaro. “O PSL transformou a eleição do Legislativo em uma questão de governo. Isso contaminou as expectativas de Maia de ser um candidato independente”, explica um parlamentar. Com isso, negociações em torno da agenda de pautas governistas já começam a ocorrer. 



Na semana passada, o novato Marcelo Freixo (Psol-RJ) anunciou que disputará o pleito. Até o momento, é o único nome da esquerda. Entretanto, congressistas afirmam que ele não teria chance de vencer; tampouco formaria um bloco amplo, com representatividade, para ganhar espaços de destaque em comissões relevantes. “Se lança uma candidatura avulsa, forma um bloco pequeno, e a oposição vai pegar comissões pouco importantes. Aí o que vamos fazer pelos próximos quatro anos? São aproximadamente 120 parlamentares de esquerda. Precisamos conseguir comissões como a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), na qual passam todos os projetos do governo, para garantir uma oposição mais dura”, explica outro deputado.

Por isso, a candidatura de Freixo parece não fazer barulho nem entre os próprios integrantes da oposição. Eles acreditam que não terá viabilidade, embora reconheçam a importância de um nome de esquerda estar na disputa pelo cargo mais alto da Câmara. “Antes de se lançar como candidato, não conversou com ninguém da esquerda. Só procurou depois para tentar negociar apoio. Nossas escolhas são: ficar no bloco do Maia, que dialoga com a oposição, e conquistar lugares importantes no Congresso; ou o bloco de partidos de centro e centro-direita, que o Arthur Lira tenta montar”, assinala. 


Desafio


Freixo ressalta que o campo democrático dentro do Congresso terá que trabalhar de maneira unificada. Ele explica que seu nome foi escolhido pelo Psol em um contexto diferente. Não apenas para marcar oposição, mas para ter uma candidatura mais sistemática, em um governo de extrema-direita, como é o de Bolsonaro. O congressista diz que o combate a pautas que mantenham a desigualdade social no país é o principal desafio da esquerda a partir deste ano.

“A República teve avanços, mas há ainda lacunas. O Brasil é o nono país mais desigual do mundo. Evidentemente, a oposição tem que ser um bloco conjunto e aproveitar os possíveis rachas entre partidos de centro e centro-direita, que não concordam com Bolsonaro. Sobretudo, não é um momento em que se pode dar ao luxo de deixar um setor de fora”, afirma. Freixo refere-se à celeuma envolvendo o PT e a frente de oposição, que estudava deixar a sigla do presidenciável derrotado Fernando Haddad de fora da articulação. 

A deputada Maria do Rosário (PT-RS) minimiza o impasse entre as forças da esquerda e argumenta que o partido já se articula para montar o bloco com todas as siglas “democráticas”. Além do campo da esquerda, aposta a parlamentar, há setores liberais que vão repensar se aderem ao governo. Cita o PSDB e atribui ao desgaste da sigla nas eleições uma possível divisão interna. “Existem graus de relação, claro, mas precisamos manter o canal aberto com todos que fazem parte do campo da democracia. Nossas pautas prioritárias, este ano, são de defesa da democracia, do patrimônio público nacional e dos direitos humanos”, completa.  

Apesar de o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmar que o governo estará aberto para conversar com o PT no Congresso, Maria do Rosário nega qualquer tipo de diálogo. “Não há possibilidade de ter essa ligação”,diz. 


De olho nas promessas de campanha

A oposição deverá ser rigorosa na fiscalização do governo e mostrar à população quando o presidente Jair Bolsonaro se desviar do que foi prometido durante a campanha, garante Alessandro Molon (PSB-RJ). “Todas as vezes que a proposta do governo for ruim para a sociedade, vamos impedir o avanço e apresentar alternativas. Seremos uma oposição responsável e propositiva”, explica. Molon afirma que vai garantir que se adote um enfoque de redução das desigualdades sociais nas propostas apresentadas pelo Executivo. “Se o projeto que chegar da reforma da Previdência aumentar ou reduzir os direitos, poderemos ser ou não oposição. Assim como a mudança na tributação”, exemplifica. 


Correio Braziliense

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad

Responsive Ads Here

Páginas